Da terra. Da água.*


“ Fiquei diante de uma cadeia de belas montanhas
 formando um semicírculo.
Uma  floresta jovem e verde cobria-os de cume a base.
Limpidamente azul acima deles era o céu do sul;



nas alturas os raios de sol se revoltavam;
abaixo, meio escondido na grama, riachos
velozes balbuciavam.
Ouvi o barulho apressado dos degraus de luz,
entre os arbustos verdes havia relances de mármore branco



de túnicas fluidas, o fluxo vivo de membros nus ...
Foram as ninfas,
ninfas, dríades, bacantes, apressando-se das alturas até a
planície ...



De repente aparecem em todas as aberturas da mata.
Seus cachos flutuam em torno de suas cabeças divinas,
suas mãos delgadas seguram grinaldas
e címbalos, e risos, risos olímpicos cintilantes, saltam,
dançando com eles ...



Antes deles se move uma deusa. Ela é mais justa que o resto;
Um tremor no ombro dela, um arco nas mãos,
uma lua crescente prateada em seus
cabelos flutuantes ... ”

                                      (in 'The Nymphs' de Ivan Turgenev**, 1878).



*: Fotos de Derek Brewster (Inglaterra).
**: Ivan Sergeiévitch Turguêniev (1818-1883).
Romancista, poeta, escritor de contos e novelas,
tradutor, dramaturgo e divulgador
da literatura russa no Ocidente.












● Uma visão de Arte. Uma fotografia de ... Mukhtar Khan


(Srinagar, Índia) 









        ● A Arte... As esculturas urbanas.

                            (escultura d'Alfred Laliberté. D'Youville, Québec. Canadá)










                A Arte de ...  Manuel Ramat* (1977).












*: Artista argentino de Villa Elisa (Entre Rios).












    ● Um pouco de ... Jean Frédéric Bazille* (1841-1870). 



                                                                                      *: Artista francês.












● Gente... do planeta.


                                                   (Turquia).












           Uma geração ...

                                                                                            (Foto: Sshutterstock)
      
                  Disse o poeta (épico) da Grécia Antiga, Homero,
           que nós somos como as ondas do mar.
               Quando uma geração floresce. A outra declina.
                   Receio.
                          Chegar o dia em que a tecnologia passe
             alem de nossa interação humana.
                   E, o mundo, gere. Uma geração de ... idiotas.














           ● “Tô de olho em vocês!  … 


      (Peru)

                                 que planeta vocês irão nos deixar?.












● Uma visão de Arte... e a rua.

(Cidade de Esteli, Nicarágua)












      ● Uma visão de Arte... Uma janela.

(Havana, Cuba).













        O passado...
















“ O meu passado é tudo quanto não consegui ser.
Nem as sensações de momentos idos me são saudosas:
o que se sente exige o momento; passado este,
há um virar de página
e a história continua, mas não o texto. “

                                                  (Fernando Pessoa).




  







          ● Um pouco de ... Di Cavalcanti.

































     ● Imagens do Ler.

                                                                              (Amaury Menezes, 1992).














● Uma visão de Arte... Uma porta.


(Funchal, Madeira, Portugal.)














A Arte de ... Pedro Weingärtner (1853-1929).
                     Pintor, desenhista e gravurista brasileiro. (R.G.Sul).








Mais sobre o artista. Visite: http://joserosarioart.blogspot.com.br/















    Saudação...
         Aos que vão ficar.
















Como será o Brasil no ano dois mil?
As crianças de hoje, já velhinhas então,
lembrarão com saudade deste antigo país,
desta velha cidade?
Que emoção, que saudade, terá a juventude,
acabada a gravidade?
Respeitarão os papais cheios de mocidade?
Que diferença haverá entre o avô e o neto?
Que novas relações e enganos.
Inventarão entre si os seres desumanos?
Que lei impedirá, libertada a molécula
que o homem, cheio de ardor,
atravesse paredes, buscando seu amor?
Que lei de tráfego impedirá um inquilino
- ante o lugar que vence -
de voar para lugar distante
na casa que não lhe pertence?
Haverá mais lágrimas ou mais sorrisos?
Mais loucura ou mais juízo?
E o que será loucura? E o que será juízo?
A propriedade, será um roubo?
O roubo, o que será?
Poderemos crescer todos bonitos?
E o belo não passará então a ser feiura?
Haverá entre os povos uma proibição
de criar pessoas com mais de um metro e oitenta?
Mas a Rússia (vá lá, os Estados Unidos)
não farão às ocultas, homens especiais
que, de repente, possam duplicar o próprio tamanho?
Quem morará no Brasil, no ano dois mil?
Que pensará o imbecil no ano dois mil?
Haverá imbecis? Militares ou civis?
Que restará a sonhar para o ano três mil
ao ano dois mil? ”

                       (Millôr Fernandes)*


*: , in "Revista Pif-Paf" 28/abril/1958










               ● Imagens... Vintage.



































                             A síntese perfeita? ...




“Sou tão misteriosa que não me entendo”
                
                                                    (Clarice Lispector)*

*: Jornalista e escritora (1920-1977).
Nascida na Ucrânia. Naturalizada brasileira.











                                                   Ninguém ...




“Ninguém nasce odiando outra pessoa.
Pela cor de sua pele. Por sua origem.
Por sua religião”.

                                           (Mandela).














        ● Uma visão de Arte... e a rua.

                                               (Criação: Lalone. Malaga, Espanha).













   
         ● Gente... do planeta.

                                                    (povo Enawene Nawe. Mato Grosso. Brasil).











        A insustentável leveza de ser carioca.

                                               (Estatua de Tom Jobim. Foto de Márcia Foletto).

         ► Fonte: https://twitter.com/msantoro1978/










                                               A arte ...

(“Retrato de Fernando Pessoa”)


“Toda a arte é uma forma de literatura,
porque toda a arte é dizer qualquer coisa”

                                                    (Álvaro de Campos, 1936).


*: . Pintura de José de Almada Negreiros, 1964.
‘Museu Calouste Gulbenkian’, Lisboa. Portugal.














      ● A Arte... As esculturas urbanas.



(Aleppo Síria)*.


*:  Escultura feita com as ruínas de casa bombardeada.
 Fonte Cultura Inquieta.












                                                              A intolerância ...


“ A intolerância proíbe, a intolerância inibe,
a intolerância é chata, a intolerância mata.

A intolerância é intolerável.

Antigamente era fácil identificar essa excrescência.
Ela marchava em passo de ganso,
carregando bandeiras e pôsteres.
Hoje ela vem diluída em inúmeros grupos de pressão,
todos de tocha na mão e loucos para interditar diálogos,
palavras, piadas, pessoas, ideias, gestos, turbantes,
atabaques, penteados, manifestações e,
especialmente, opiniões.
Todos cheios das mais altas proposições, pois o caminho
para a intolerância é asfaltado de boas intenções.

(...).Veja bem, no planeta inteiro, apenas uma espécie discrimina
seus semelhantes por causa de raça, ideologia ou religião:
o primata depilado conhecido como Homo SAPIENS.

Sempre fomos uma turminha muito louca aprontando altas confusões.
Primeiro, exterminamos os outros humanoides do planeta.
Depois, entediados, fundamos partidos, inventamos religiões
e desenhamos fronteiras só para deixar os diferentes do lado de fora.
No fundo, no fundo, é só briga territorial.
No fundo, no fundo, a intolerância é uma coisa animal. ”

► Fonte: http://www.republicadosbananas.com.br/
► Imagem: https://pleno.news/opiniao/













                                                            ● Imagens do Ler.


  (Paris, 1950)*


*: 
Samuel (Sem) Presser ( 1917 - 1986 ). Fotógrafo holandês).













● Gente... do planeta.

(Lassa, Tibete). 












A Arte de ... Rafael Zabaleta (1907-1960).
Este artista espanhol de Quesada (Jaén, Andaluzia) “ nos deixou um legado artístico que vai desde o expressionismo sombrio até o expressionismo mais luminoso, e que mostrou claras influências de Picasso. (...). A obra de Zabaleta foi incluída na linha denominada realismo expressionista espanhol, que começa com Goya, segue por Nonell e Gutiérrez Solana. Ele é um pintor metódico e perfeccionista, como pode ser visto em sua série temática.” (http://culturainquieta.com/es/arte/pintura/).
Vejam algumas de suas criações.